A METONÍMIA CAOLHA DA OBRA

Há, em nosso português, uma figura de linguagem interessante, conhecida como metonímia, que consiste no emprego de um termo em detrimento de outro, dada a semelhança entre os dois, sendo que uma de suas manifestações se dá em representar uma parte em lugar do todo. Como exemplo, podemos citar a contagem de cabeças de gado, ao invés do gado todo, para representar os animais pertencentes a um fazendeiro.

Quando utilizada com sabedoria, a metonímia, a exemplo de todas as outras diversas figuras de linguagem existentes em nossa literatura, sem sombra de dúvidas, enriquece a mensagem, sobretudo porque usa de inteligência em destacar o autor em lugar de sua obra, ou até mesmo a marca pelo produto, como exemplos de outras de suas manifestações. Jamais, a parte pelo todo pode querer representar algo que não tenha equação razoavelmente aceitável, resultando em falta de bom senso.

Porém, alhures, mais precisamente nos domínios da monarquia palaciana da obra, a metonímia é totalmente deturpada. Todos aqueles que mantiveram alguma espécie de contato com o gedeltismo sabem que “a obra” (parte) intenta, enquanto sinônimo da denominação, representar o todo, qual seja, toda A Obra de Deus realizada na face da Terra. Absurdo! Então, nas mãos dos discípulos do gedeltismo, a metonímia, mas também a hipérbole (exagero), metáfora (comparação), e outras, são armas para destruir a linguagem e principalmente os emissores das mensagens que não condizem com o pensamento “caolho” (metáfora ou sinestesia – mistura de sentidos) ali aplicado.

Trago à baila mais uma prova dessa metonímia caolha da obra, recente, que é a demanda em face do wordpress.com, processo nº 0034701-92.2014.8.08.0035, ajuizado pela rainha em 02/09/2014, e tramitando na 5ª Vara Cível de Vila Velha, indicando que este blog, dentre outros, teria publicado material de cunho UNICAMENTE ofensivo, arguindo ter sido vítima de difamação. E para tal, aponta três artigos nossos como sendo os veículos dessas supostas afrontas. São esses os artigos: CUIDADO: SEITA PERIGOSA!, publicado em 20.04.2013; A OBRA É UMA VERDADEIRA “ARMAÇÃO ILIMITADA”!, publicado em 19.03.2013, e O NOCIVO MARKETING DE REDE DA MARANATA!, publicado em 05.04.2013. Os respectivos links seguem abaixo:

https://diganaoaseita.wordpress.com/2013/04/20/cuidado-seita-perigosa/

https://diganaoaseita.wordpress.com/2013/03/19/a-obra-e-uma-verdadeira-armacao-ilimitada/

https://diganaoaseita.wordpress.com/2013/04/05/o-nocivo-marketing-de-rede-da-maranata/

Convido aos leitores deste blog a fazerem o mesmo que pude fazer, que é voltar até os artigos, relendo, e tentando evidenciar alguma espécie de afronta difamatória aguda aos seguidores de um sistema, cuja cúpula é alvo de diversas notícias de jornal; alguns presos, e ainda acusados de cometimento de delitos graves e repudiáveis, relacionados a desvios de dízimos dos fieis, e de condutas reprováveis na sociedade de um modo geral, quem dirá de um meio considerado como sadio, que é o de vivência com o Evangelho de Cristo…

Relendo os artigos e analisando a atual demanda judicial, as perguntas que ecoam são: há alguma inverdade dita por ali? Para aqueles que defendem alguma espécie de mudança no gedeltismo, perguntamos: a atual gestão que pretende perseguir aqueles que buscam esclarecer as pessoas sobre o gedeltismo? A mentalidade mudou? O interesse é o de contrapor às ideias ou o de abafar os fatos? A quem de fato interessa calar a boca dos blogs?

O absurdo ainda maior é o de perceber que a citada demanda judicial, assim como todas as outras, diga-se de passagem, ensejou investimento com dízimos dos fieis, pois restou em pagamento de custas judiciais, supondo não oriunda do bolso nem dos antigos nem dos atuais gestores, se é que há essa diferença. Mais um desvio de finalidade da realização da “obra”, não é mesmo?

Outro grande disparate é o que passo a expor a seguir: os discípulos da monarquia quadragenária apontam apenas TRÊS artigos deste blog como sendo difamatórios, enquanto foram disponibilizadas, pelo diganaoaseita, um total de QUATROCENTOS E CINQUENTA E CINCO publicações, entre entrevistas, com pessoas identificadas, não anônimas, enquetes, mensagens da Palavra de Deus, paródias, artigos de outros escritores, etc. Inclusive, quando efetuada uma simples pesquisa no google, pelos nomes dos artigos do blog de um forma geral, percebemos que o material é republicado em diversas outras páginas da internet, parecendo prestar algum serviço de utilidade pública, mas o “veredito” é resumido em EXCLUSÃO do blog da internet!

Uma bala de canhão para matar uma mosca! Essa é a expressão que mais representa o estarrecimento de qualquer um ao tomar conhecimento do assunto, e não precisa nem estar envolvido na maldição de ter um dia convivido em ambiente tão insalubre, quanto a “obra” deles! Em uma matemática para lá de simplória, chegamos à conclusão que os três artigos, do total de QUATROCENTOS E CINQUENTA E CINCO, perfazem míseros 0,65% (ZERO, VÍRGULA, SESSENTA E CINCO POR CENTO), ou seja, nem UM POR CENTO das publicações do blog. Se perguntar não ofende: Isso é razoável para EXCLUIR o blog do ar? Por que não solicitaram que retirassem apenas o conteúdo considerado difamatório do ar? Alguém é capaz de esclarecer essas coisas?

O interessante é que, ao contrário do que intentam demonstrar os asseclas do gedeltismo, pessoas a cada dia nos agradecem pelos esclarecimentos prestados por meio do blog. Alguns encontram alento quando se deparam com declarações, entrevistas, mensagens do blog que encontram eco naquilo que viveram, relacionado com contatos amargos com uma denominação que se aproxima cada vez de uma seita, como ideologicamente defendemos.

Essa demanda judicial estapafúrdia parece mais provar que a “obra” do gedeltismo não é nem parte, quanto mais todo da verdadeira OBRA DE DEUS a ser vivida pelo Evangelho Puro de Cristo. A metonímia da obra não parece sadia nem inteligente, mas sim caolha, como se uma luneta fosse usada para tentar enxergar todo o panorama dos fatos, com  diferença que a luneta da obra não amplia em nenhuma vez a imagem; pelo contrário, parece diminuir a mesma. E o pior é que essa luneta está sendo emprestada para que outras, de forma caolha, tenham a mesma visão que a obra tem das coisas! Lastimável! Temerário! Uma afronta à liberdade de expressão! Que mal lhe pergunte: e a ampla defesa e o contraditório?

Foge dela, povo meu! Só Deus mesmo para nos livrar dessa metonímia caolha da obra! Graça e Paz de Deus a todos!

Alandati.

OBS: Leia mais sobre o assunto no artigo do Cavaleiro Veloz, com o título DECISÃO JUDICIAL AÇODADA GERA INJUSTIÇA, no link:

http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/decisao-judicial-acodada-gera-injustica/

Anúncios

2 Respostas para “A METONÍMIA CAOLHA DA OBRA

  1. Alandati

    Concordo.

    Encontramos o olhar caolho do dominador do rebanho:

    1 – na disseminação de meias verdades nas unidades locais dominadas prisioneiras do sistema;
    2 – na espionagem de descontentes e questionadores do sistema.
    3– na formação (levantamento) de emissários do palácio da rainha desfigurada;
    4 – na formatação de indivíduos influentes para a defesa da OBRA;
    5 – na imposição da doutrina além da letra nos seminários da OBRA;
    6 – na inquestionável obediência ao DON (Doutrina, Ordens e Normas);
    8 – na projeção do profeta-mor como valente da OBRA etc.

    As maranacutaias palacianas, com direito a negócios em família, estão no curso de meridiana OFENSA À LEI a exigir SENTENÇA.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/negocios-de-familia-e-fabrica-de-judas/

    Não se enganem: a banda corrupta e corruptora é ativa, complexa, dissimulada e enraizada nas unidades locais.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/04/a-iniquidade-permanece/

    Nem o Diabo consegue contar o que existe nessa igreja de profetadas e revelagens em apoio ao dono da empresa na lidera das maranacutaias palacianas. Claro, de cima para baixo. Estamos diante da impressionante e indisfarçável realidade: essencialmente autodefensivo, avarento, confuso e dissimulador o gedeltismo instituiu a mediocridade.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/o-gedeltismo-nos-traiu/

    O gedeltismo jamais se importa com a desestruturação familiar fomentada por esta ideologia generalizada. O mal está solto e o olhar caolho do dono do rebanho conseguiu o que queria em apostasia, autodefesa, avareza indiscriminada e dissimulação.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/04/profetadas-e-revelagens-o-mal-esta-solto/

    PENSEM!!! http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/pense/

    Protestei e continuo protestando contra a cautelar do d. juiz substituto da 5a. Vara Cível de Vila Velha – ES. Copiem e enviem cópias às pessoas de seu relacionamento.

    http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/decisao-judicial-acodada-gera-injustica/

    Retirantes, lembrem-se da mulher de Ló.

    Sei de algo que está roubando o sono até de meia-sola remendado que se droga para dormir: está na hora de alguns começarem a pensar: é melhor falar a verdade do que continuar como boi de piranha do palácio da rainha desfigurada (PRD).

    “E, assim, com confiança, ousemos dizer: O Senhor é o meu ajudador, e não temerei o que me possa fazer o homem.” (Hebreus 13.6)

    “O SENHOR é minha bandeira.”

    CV.

    Publicado em http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/03/liberdade-de-expressao/comment-page-2/#comment-14239

  2. Ótimo texto, muito esclarecedor.
    Segundo metonímia da obra e a margem de erro dos institutos de pesquisas, Davi é tipo de Jesus e Salomão é tipo do ES.
    E tantas outras margens de erro, ops…. tipificações. rsrsrsrs
    Abraço amigo Alandati.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s