THE WORK’S WALKING DEAD

The Walking Dead ou Os Mortos-Vivos é uma série de televisão americana, que conta a saga de alguns humanos num cenário pós- apocalíptico, tentando sobreviver a esses mortos-vivos, também conhecidos como zumbis, que se alimentam dos vivos! Os zumbis um dia foram humanos, mas por terem sido mordidos, arranhados ou apenas adquirido o vírus e morrido, tornaram-se errantes.

O vírus age direto no cérebro, matando o mesmo, pouco a pouco, o  corpo vai perdendo suas faculdades, tem febre alta, e morre; isso mesmo, a pessoa morre e minutos depois….o cérebro volta a ter ações,  o corpo levanta, anda e tem extinto de morder os vivos, alimentando-se deles! Assim, com o tempo, todos estão infectados, esperando apenas a morte, para se tornar um zumbi!

Essa ideia é assustadora, não acham???

Pois é, amados, mas essa ameaça, infelizmente, é real, pois há mais de quarenta anos, na cidade de Vila Velha –Espírito Santo, nasceu esse vírus, que vem corrompendo pessoas pelo mundo e tem o nome de oubra! Tendo como pano de fundo um cenário que gira em torno do apocalíptico, o vírus começa devagar, com um culto aqui, outro ali, uma oração, um jejum, tentando se apresentar como única solução para a vida do homem desta “última hora” (expressão que eles gostam muito de usar), e aí vem o nome no grupo de assistência, visita na sua casa, reunião de novos “convencidos”, madrugada, cultos ao meio-dia, participação em seminário de heresias (….), tudo para que consigam transformar os incautos em ZUMBIS.

Quem já foi mordido, arranhado ou apenas adquiriu o vírus da oubra por meio de um “abençoado” convite para ter um contato com ele, adentrando em seu ambiente de proliferação, que são as casinhas de tijolos padronizadas, com algumas poucas variantes, CUIDADO, a morte para esta vida é iminente, e fatalmente pode se tornar um errante. Nada mais vai importar: família, trabalho, amigos, estudo, saúde, tudo vai girar em torno do vírus, da oubra, por meio da política do OSSINHÔRREVELÔ! Fuja enquanto há tempo! Como diria o Tiririca: VOCÊ VAI MORRÊÊÊR! Para ter uma pequena ideia de como o negócio funciona, leia o nosso artigo, de agosto de 2012, em

https://diganaoaseita.wordpress.com/2012/08/30/os-vivos-ausentes/

O vírus da oubra age direto no cérebro, causando febre altíssima e convulções fortes, tornando o indivíduo um ferrenho defensor do indefensável, como doutrinas hereges, distantes do que consta registrado na Bíblia, tais como o clamor pelo sangue de jesus, a bibliomancia, inclusive pra batizar, os meios de graça como uma forma de barganhar as bençãos com Deus, reunião de inquisição, quando o “pé-na-cova” é empurrado mais ainda para a sepultura, de tanta fofocação e perseguição que sofre, o ministério está acima dos dons, os “ungidos do sinhô” são intocáveis, e por aí vai…nunca esquecendo que, tal como a série americana, os walkers (mortos-vivos) se alimentam dos vivos, e não há exemplo melhor do que é realmente “sugar” os outros como o que os gestores fazem na oubra, não é verdade?

O selo para a “morte para esta vida”, cuidado, é o decorrente e inevitável, segundo eles, revelado pelo sinhô, por meio da bibliomancia (consulta aleatória de versículos bíblicos), batismo nas águas. Aí que então uma nova criatura renasce, a natureza humana, com toda a sua história de vida, preferências, experiências, morreu nas águas e um zumbi nasce! Um corpo sem vida, que não pensa, que se alimenta de carne; carne esta que é encontrada, com fartura, nas mensagens vãs e nas interpretações vazias e nem tão criativas assim, que os vassalos do necrotério espiritual nos dão – ex: O sol tipifica calor, a geladeira frio, o carro é a oubra, a lua é um satélite natural da terra!…

Os mortos-vivos aprendem a acreditar na doutrina, na consulta por meio da bibliomania, nas profetadas, nos dons expressos, na imposição de mãos abençoadas dos ungidos do sinhô, começam a idolatrar flores, púlpitos, igrejas, musiquinhas e como retardados repetem gestinhos, e aprendem a repetir que não são coreografia, assim como replicam que oubra não é apelido da instituição, e que a oubra não se mistura com política.

Os zumbis então começam a sair pelo mundo, espalhando o vírus, em forma de evangelizações, que mais apropriadamente deveriam se chamar contaminações…cada mês um grupo é afetado, e de forma sistemática e repetitiva, sendo que nem as pobres criancinhas escapam, pois destacam zumbis em forma de titias boazinhas, dançarinas de can can, lanchinho de iogurte com cream cracker…afinal, esses pequeninos podem representar menos resistência aos zumbis sugadores, não é mesmo?

Os alvos das “mordidas” e “arranhões” são os colegas de trabalho, familiares, secundaristas, universaristas, futuros dizimistas, ops, esses ainda não, ao menos não declaradamente….coitados, os zumbis recém-formados só tem um mês de paz no ano! Mas o mês mais esperado pelos zumbis..é outubro, e não é por causa do dia das bruxas, até porque eles vivem fantasiados! Mas vocês não sabem??? Não lembram???  Porque é o mês de niver da oubra “Parabéns, parabéns, hoje é o seu dia, que dia mais feliz”. Já sei porque a confusão: Esaurinha foi a responsável por esta miscelânea, né?

https://diganaoaseita.wordpress.com/2013/03/11/esaurinha-inventou-a-moda-comemorar-aniversario-antes-bem-antes/

Mas, em condições normais de temperatura e pressão, outubro seria o mês mais abençoado do ano para a grande aniversariante, a oubra, pois a benção é farta, exigindo grande dedicação dos zumbis, com madruguinha na primeira semana, fominha na segunda semana, consumo do horário da fominha no meio-dia, e na quarta semana, são 24 horinhas de oração, sendo esta a semana que o povo se tranca no banheiro e fica quinze minutos morcegando em nome de uma benção fictícia!! Aliás, ocorreu-me algo interessante agora: para que servem bençãos nas mãos de zumbis mesmo? Os mortos precisam de dádivas para esta vida?

Pois então, ano entra, ano sai e a zumbizada fica à solta, tentando recrutar o povo sadio, ao comando dos zumbis-chefes, mas muito vivos, discípulos do gedeltismo, pois esses se alimentam dos vivos, mas nunca morreram para esta vida, como exigem dos zumbis que formam na oubra! O intere$$e maior dos gerentes é sempre colocar uns números a mais na contabilização de membros, para fazer a zumbizada acreditar que tem mais mortos-vivos presos na gaiola do que fora dela, e consequentemente serem desencorajados a sair, embora saibamos que, atualmente, o maior impedidor para alguns seja a praga lançada pelo zumbi-mor, a qual declara toda sorte de maldição para quem busque deixar de ser zumbi. Veja em

Assim como os zumbis da série, o jeito de resolver isso é  cortando a cabeça do errante!!  NÃO É PARA SAIR BRINCANDO DE LEFT FOR DEAD COM O POVO, mas a alusão é claramente relacionada com a liberdade que vai sendo adquirida quando a mentalidade de oubra é banida e uma nova nasce! A grande questão é se ver livre do vírus da morte da oubra! E isso dá um trabalho muito grande para acontecer!!! Mesmo porque muitos insistem em afirmar que o ambiente contaminado é ainda sadio para “viver” (não seria morrer?!?!?) com a família!!!

CUIDADO: ELES ESTÃO POR TODA PARTE!! E QUEREM CONVENCER VOCÊ! NÃO DEIXE QUE SE APROXIMEM, POIS VÃO TE MORDER OU ARRANHAR, E AÍ…

 

Foge dela, povo meu!

 

Por Dany-se e Alandati.

Anúncios

5 Respostas para “THE WORK’S WALKING DEAD

  1. Dany-se e Alandati,

    Esses Mortos-Vivos se esquecem que, com o avanço da tecnologia, os segredos da oubra estão todos revelados nas redes sociais e blogs.

    Eles se esquecem que é só digitar: “obra revelada”, “icm”…no google que os candidatos a prosélitos terão todas as informações necessárias para evitar que caiam na arapuca de tijolinhos com flores naturais no santo púlpito, como nós um dia caímos.

    Parabéns aos dois pelo belo texto.

  2. Muitos parabéns pelo artigo, graças a Deus que há pessoas como vocês que contam a verdade. Espero que muitos se possam salvar. Eu pesquisei muito e cheguei à conclusão que são sugadores de energia, vampiro energético ou energyvamp. Sentia-me mais cansada ao sair do que ao entrar, imposições de mãos ainda pior…

  3. O que contamina o homem não é o que entra na boca, mas o que sai da boca, isso é o que contamina o homem. Mateus 15:11

    Ou seja, o vírus está naqueles que falam e não nos que ouvirão !
    .
    .
    .
    Júlio, permita-me discordar, pois o vírus é transmitido buscando letargia nos seus destinatários, contaminados, tornando-os “zumbis”, ou seja, mortos-vivos. Porém, no caso em questão, os que “falam”, que você se refere, os quais presumo estar remetendo aos que gerenciam os trabalhos da “fábrica de walking deads”, ah mas esses não estão nada mortos, amigo, e sim bem, mas muito bem VIVOS! Esses, tenha como certo, já tomam as vacinas bem antes de transmitirem alguma coisa, o que vale dizer que não seguem nadica de nada do que orientam que seja seguido pelos candidatos a “zumbis”, contaminados pela obra. Capitou?

    Fica em Paz!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s